Belágua, município localizado a 250km da Capital São Luis, no Maranhão, é hoje o município mais pobre do Brasil. Com pouco mais de sete mil habitantes, mais de 90% vivendo em condições de extrema pobreza, o município parece ter parado no tempo.

A maioria das casas ainda é construída como no século passado. Barro, bambu, taipa e palha. A infraestrutura é precária, saneamento básico é praticamente inexistente. A maioria da população sobrevive com uma renda inferior a R$ 100,00 por mês, embora alguns indicadores mostrem que a renda média é próximo a R$ 150,00, graças a programas sociais como o Bolsa Família.

A fome é um drama diário na vida de centenas de famílias de Belágua. Farinha e água são a base da alimentação diária de muitas crianças. Algumas famílias conseguem o “luxo” de acrescentar a dieta diária o feijão, mas isso é um privilégio diante do estado de extrema pobreza a que o município é exposto.

Belágua está na rota da jornada “Além do meu Umbigo, organizada pelo jornalista curitibano, Pedro Rodrigues Neto. A viagem, que passará pelos dez municípios mais pobres do Brasil, se tornará um documentário, onde Neto irá retratar a sua experiência de viver com pouco dinheiro, viajando por cinco estados (Pernambuco, Maranhão, Piauí, Amazonas e Acre), para retratar um Brasil que parou no tempo, que não evolui e que carece de atenção imediata.