Guaribas, município do sertão do Piauí  com pouco mais de quatro mil habitantes, já foi símbolo do extinto programa social Fome Zero. Ganhou destaque e visibilidade na imprensa nacional até o final da primeira década de 2000, por ter 87% de sua população dependendo do Bolsa Família para sobreviver.

Com pouquíssimos recursos, o maior gerador de empregos do município é a prefeitura, com cerca de 380 postos de trabalho. O comércio é familiar, não existem indústrias. Um estudo feito pelo Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), órgão vinculado ao departamento de História  Econômica da USP, pela coordenação do professor Alexandre de Freitas Barbosa, mostrou a realidade Guaribas e outros municípios em um estudo chamado “O Brasil Real”, que vai além dos indicadores.

De acordo com a pesquisa, municípios como Guaribas conquistaram importantes avanços na última década. Água encanada, uma unidade básica de saúde, escolas, ruas pavimentadas e até uma agência bancária. Porém, a pobreza extrema permanece e mais de 950 famílias dependem exclusivamente do Bolsa Família para sobreviver.

A pesquisa do Cebrap mostra que a ausência de políticas públicas para estimular a economia local, a industrialização regional, a qualificação de mão de obra, tornou os moradores reféns dos programas sociais. A fome extrema se foi, mas as perspectivas de futuro continuam péssimas. No ano de 2003, um grupo de Ministros do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, esteve no município com uma pauta de intenções e promessas de desenvolvimento regional para o município.

Em consequência disso, os mais jovens continuam pegando a estrada rumo a São Paulo, onde buscam uma vida melhor, enquanto a maior renda entre a população local, continua sendo a dos aposentados, em especial os que conquistaram a aposentadoria rural.

Guaribas é um município castigado pela seca, e no passado tinha índices altíssimos de mortalidade infantil. Os programas de combate a pobreza, como Fome Zero e depois Bolsa Família colaboraram consideravelmente para a remissão destes índices, passando de 30,3 para 22,2 para cada mil crianças nascidas vivas. A taxa de analfabetismo também caiu: foi de 59% para 36%. Mas questões estruturais não foram resolvidas. Dos 4.401 moradores da cidade, 87% são atendidos pelo programa Bolsa Família.

Guaribas é uma cidade na rota da jornada Além do Meu Umbigo, que começa em 14 de outubro, e irá percorrer os dez municípios mais pobres do Brasil.