Para viajar, o jornalista Pedro Rodrigues Neto, idealizador do projeto, reuniu amigos e colegas de profissão para definir o modelo de financiamento coletivo, crowdfunding, que ajudará no custeio das despesas. A ideia principal é que o jornalista viaje com pouco,muito pouco, assim como o brasileiros que moram nestas regiões vivem.

Nos municípios por onde ele passar, uma dinâmica de engajamento com o projeto será realizada. Além de retratar a realidade, Pedro fará trabalhos voluntários para a comunidade, aquilo que eles precisarem, além de dar aulas de redação e criatividade para crianças, jovens e adultos.

O financiamento coletivo é uma forma de viabilizar sonhos e executar projetos com o auxílio da própria sociedade. Pedro está viajando com essa ferramenta. Logo, nos municípios em que passar, além de todo o trabalho voluntário e da produção de reportagens, terá uma missão: identificar um sonho daquela comunidade, ajudar na elaboração do projeto, criação da campanha de financiamento coletivo e, por fim, o lançamento dele na internet.

Para ficar mais fácil imaginar, pense que num determinado município, o sonho da comunidade é ter uma sala de informática para os alunos. Pense que por inúmeros motivos que todos conhecem, isso nunca acontece. Pois bem, o projeto do sonho será montado e o financiamento coletivo será lançado na internet, nas redes sociais,para que todos possam ajudar. O financiamento coletivo funciona com pequenas quantias, gente do Brasil inteiro pode doar. Pode ser um real, pode ser cem reais, não há limite mínimo, nem máximo de valor, o que existe é boa vontade em ajudar.

Pedro ficará hospedado em casas de famílias, dependerá da ajuda e da boa vontade das pessoas nas cidades por onde passar. Hospedagem mesmo somente nas capitais, onde irá parar para descansar entre um trecho e outro e preparar as novas etapas da jornada.

Todos os trechos serão cumpridos dentro de condições mínimas de estrutura. As viagens serão feitas de ônibus e barco. A produção do conteúdo diário será realizada por um smartphone, seguindo a lógica da conectividade. Vídeos, textos, fotos, entrevistas, tudo produzido por um único aparelho de telefone que, conectado as redes sociais, plataforma digitais, enviará os conteúdos em atualizações quase que diárias (existem municípios onde a conexão pode ser comprometida).

Ao término da viagem, já em Curitiba novamente, Pedro irá editar o material de vídeo, os depoimentos, entrevistas e imagens captadas, para a produção de um documentário. Este documentário será disponibilizado nas plataformas digitais gratuitamente,para que a sociedade possa tomar consciência de um Brasil que precisa ser olhado, que precisa de ajuda, que precisa de apoio. É impossível falar em um país melhor sem solucionar problemas como esses, de fome, miséria, extrema pobreza. Gerações são comprometidas por estes maus.