Hoje visitei a casa da do Cícera, que com seu filho Kaike, vive dias melhores e mais promissores em Baixas. Quando nasceu, Kaike esteve perto da morte. A exemplo de dezenas de crianças que não venceram a batalha pela vida, Kaike era mais uma vítima da desnutrição, da fome, da sede.

Até 2010, a realidade era cruel com as famílias de Baixas. Sem água, sem alimentação adequada (os programas de transferência de renda eram e são insuficientes), a comunidade lutava para sobreviver. Foram dias difíceis.

Graças a solidariedade de pessoas de Pernambuco e outros estados, que unidas passaram a buscar recursos e apoio com empresas e voluntários, essa página foi virada. O futuro de Baixas é bem mais promissor e a vida muito melhor.

Joana D’arc Henzel, que coordena a ONG PÃO É VIDA, me acompanhou na visita a Cícera e explicou como o engajamento e a solidariedade salvaram a vida de dezenas de crianças e de quebra mudou a realidade do vilarejo.